domingo, 8 de novembro de 2009

Olá, simplesmente OLÁ!



Olá amigos,
Saudades de todos!
Para um Internaut não existe distância. O tempo e o espaço são virtuais. Nos encontramos sempre. Mesmo assim, amo o encontro presencial, quando então posso olhar as pessoas nos olhos, compartilhar momentos, conversar...
Hoje estou morando a 3000Km de Campinas (SP), minha cidade adotada e a 4.200Km da minha cidade natal, Aquidauana, Mato Grosso do Sul. Estou sendo adotada novamente. Vivo e trabalho em Caicó, Rio Grande do Norte. Estou feliz. Novos e maravilhosos amigos. Estamos nos conquistando mutuamente. Tenho um trabalho que me preenche, me faz feliz e realizada a cada dia. Passo minha vida em revista e constato que o mundo realmente é uma bola. Nele vamos rolando e nos encontrando. Percebo que todos os lugares são bons de se viver. As pessoas, são hospitaleiras - dependendo de como nos oferecemos a elas. Se nos fechamos, as afastamos. Se lhes oferecemos o que temos de melhor, também elas nos dão o melhor que podem. O desconhecido logo se torna familiar. Lugares ruins devem ser os lugares de conflito, de guerra, de tiroteios. Lugares de fome, onde falta alimento para o corpo e para a alma.
Ademais, o Brasil é bonito demais. Seja no Pantanal onde nasci, na floresta de pedra, que é o coração de São Paulo ou na floresta de caatinga que é o semi-árido nordestino onde moro. Cada lugar tem sua beleza, sua estética. Depende de como nos relacionamos com tais espaços e de que sentidos construímos para nós próprios e para as pessoas que vivem ao nosso redor.
Penso que é assim que nos fazemos felizes.
Fotografia: Luiz Felipe Garcia Vilhete d´Abreu (no dia de seu 11º.aniversário).

4 comentários:

http://dirramandopalavras.blogspot.com/ disse...

Nossa que lindo o texto e linda a foto!!!!!

Beijos,
Cidinha.

odair disse...

oi, fátima.

gostei dos pombinhos.... o olhar para a natureza com a perspectiva da contemplação, da poesia, da vida nos permite ver o mundo de tal maneira a contruir uma paz interior...
Estou batalhando com o Prof. João a produção de nosso livro. A esperança é a última que morre....
Odair

Cris Farias disse...

Fá... Sempre com palavras sábias e (de quebra) belas!!!!
Palavras dóceis de serem ouvidas e tão reais que despertam nossos olhares e nos atentam para a beleza do presente que ganhamos todos os dias chamado: VIDA!!!!

Saudade Imensa de vc!!!
Beijo

Marcioneide disse...

Adorei o texto.
abraços